Weather Report

God did not grant me

a boyfriend

he gave me

the white martyrdom

of having none

I saw

potential loves

they were bulls

swine

and I, palaces

pearls

You don’t want me

you never wanted me

(my God, why?)

Life

is a book

and the book

isn’t free

I cry

it rains

but that’s

Verlaine

Or:

such a beautiful day

and here’s me

not fornicating

Metereológica

Deus não me deu
um namorado
deu-me
o martírio branco
de não o ter

Vi namorados
possíveis
foram bois
foram porcos
e eu palácios
e pérolas

Não me queres
nunca me quiseste
(porquê, meu Deus?)

A vida é livro
e o livro
não é livre

Choro
chove
mas isto é
Verlaine

Ou:
um dia tão bonito
e eu
não fornico

Childhood Memories

We adored raspberry jam

and then one day

they served us a plate

with more raspberry jam

than usual

our servant our grand-aunt

for our own good

and because we were sickly

had mixed in the raspberry jam

spoonfuls of foul tasting medicine

now the jam didn’t taste the same

and had white strands through it

this happened once and once only

we never again begged for

dessert with raspberry jam

we never again begged for anything

now we can’t even say

how rank that childhood medicine!

how sweet the raspberry jam of our childhood!

on discovering the mixture

of raspberry jam and medicine

we fell silent

later we heard about entropy

we learnt that it’s not easy to separate

raspberry jam and medicine

that’s how it is in books

that’s how it is with childhoods

and books are like childhoods

which are like the little doves of Catrina

one is mine

another’s yours

and another is someone else’s.

Memórias das infâncias

Gostávamos muito de doce de framboesa
e deram-nos um prato com mais doce de framboesa
do que era costume
mas
a nossa criada a nossa tia-avó no doce de framboesa
para nosso bem
porque estávamos doentes
esconderam colheres do remédio
que sabia mal
o doce de framboesa não sabia à mesma coisa
e tinha fiapos brancos
isso aconteceu-nos uma vez e chegou
nunca mais demos pulos por ir haver
doce de framboesa à sobremesa
nunca mais demos pulos nenhuns
não podemos dizer
como o remédio da nossa infância sabia mal!
como era doce o doce de framboesa da nossa infância!
ao descobrir a mistura
do doce de framboesa com o remédio
ficámos calados
depois ouvimos falar da entropia
aprendemos que não se separa de graça
o doce de framboesa do remédio misturados
é assim nos livros
é assim nas infâncias
e os livros são como as infâncias
que são como as pombinhas da Catrina
uma é minha
outra é tua
outra é doutra pessoa